Poço Branco: Em live e entrevista coletiva prefeito Edinho relata o caos que herdou do ex-prefeito Waldemar

Fotos: Moisés Araújo

Em uma live e entrevista coletiva a imprensa local e regional que durou pouco mais de 02 horas, o prefeito Edinho Oliveira, da cidade de Poço Branco na região do Mato Grande, fez um relato completo do caos administrativo que herdou do ex-prefeito Waldemar de Góis. O evento aconteceu na Câmara Municipal e contou com a participação da vice-prefeita Nilse Cavalcanti, do secretariado, vereadores e populares.

Com uma vasta documentação, além de fotos, o novo gestor mostrou a situação caótica das repartições públicas, patrimônio público deteriorado, ruas cheias de lixo, contas da Cosern e Caern atrasadas, dívida de pouco mais de R$ 3 milhões junto aos INSS e mais de R$ 2 milhões junto a fornecedores, parte dos servidores sem o salário de dezembro/2020, além do município inadimplente junto a órgãos do governo federal impossibilitando a celebração de convênios.

No Centro Administrativo, onde funciona o gabinete do prefeito, foram encontrados apenas dois computadores funcionando e com programas deletados; armários enferrujados, móveis danificados, um verdadeiro retrato da falta de zelo e abandono do bem público.

O Hospital Municipal em precárias condições de funcionamento com sinais de abandono, falta de medicamento, de profissionais de saúde, equipamentos, dentre outros problemas. A cidade inteira com amontado de lixo pelas ruas devido a paralização dos garis por falta de pagamento.

Edinho disse que precisará de um tempo e da compreensão dos munícipes para colocar a ‘casa em dia’ e oferecer aos poçobranquenses uma administração que todos almejam, e que para isso não medirá esforços junto a sua equipe para devolver a população a autaestima e a credibilidade no serviço público.

Quanto ao funcionalismo, disse estar juntando todas a moedas para garantir o pagamento da folha de janeiro no final do mês e que o salário de que deixou de receber será discutido no momento oportuno a forma de pagamento.

Qual sua opinião?