Embarcação de carga que saiu do Recife naufraga a caminho de Noronha; tripulantes estão desaparecidos

A embarcação saiu do Recife em direção a Noronha às 14h da terça-feira (21) e, segundo o Porto do Recife, levava com 100 toneladas de material diverso. A previsão era de que a chegada ocorresse por volta das 6h da quinta-feira (23).

Por nota, a Marinha do Brasil informou que o naufrágio ocorreu a aproximadamente 60 milhas náuticas de Cabedelo, na Paraíba. Em comunicado atualizado às 18h desta quarta, a Marinha disse que oito tripulantes estavam a bordo e quatro deles foram resgatados pelo Navio Mercante Nazenin e estão em bom estado de saúde. “Outros quatro tripulantes seguem desaparecidos”, informou.

Segundo a Marinha, as buscas continuam com os navios Patrulha Grajaú e Guaíba, subordinados ao Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Nordeste, além de uma aeronave da Força Aérea Brasileira especializada em missões de busca e salvamento. Também foi deslocada para a área do naufrágio uma embarcação de transporte de carga.

O dono do barco, Moacyr Luna, afirmou que a carga levada ao arquipélago era de material de construção. Quando ele conversou com o g1, no a informação ainda era de que três dos tripulantes que estavam no barco tinham sido resgatados.

“A Marinha está no local. Ele estava navegando tudo bem até as 4h30 da manhã de hoje. Deve ter acontecido uma mudança brusca de tempo”, afirmou Moacyr Luna.

Por nota, o Porto do Recife informou que a embarcação de carga Thaís costumava atracar no Porto do Recife a cada duas semanas para embarcar suprimentos para Fernando de Noronha e que, de acordo com o agente da embarcação, a manutenção da embarcação estava em dia e a carga não excedia o limite permitido.

“O barco, operado pela empresa Jaqueline Segundo, desatracou do ancoradouro nesta terça-feira (21), às 14h20, seguindo com destino a Fernando de Noronha com 100 toneladas de materiais diversos. Porém, por volta das 4h30 da manhã desta quarta-feira, a tripulação perdeu o contato com o continente”, informou, no comunicado.

G1 Pernambuco

Qual sua opinião?