PRF apreende bitrem e prende condutor por porte de documentos falsos, falsidade ideológica e adulteração de sinais identificadores

Em uma fiscalização de rotina, Policiais Rodoviários Federais prenderam no final da manhã de ontem (13), no km 48 da BR 304, em Mossoró, um homem de 30 anos, condutor de uma carreta bitrem com placa do Estado do Paraná.

Com relação a esse veículo, a todo um histórico de irregularidades praticadas pelo motorista. No dia onze desse mês, ele foi contratado por uma empresa na cidade de Campina Grande/PB, para transportar uma carga de areia granulada higiênica para gatos, até a cidade de Florianópolis/SC, onde foi pago à vista, o valor de R$ 6.460 pelo frete.

Decorridos dois dias, a empresa foi informada por pessoas ligadas a ela, sobre uma carreta que estaria descarregando areia, em algumas cidades da Paraíba e também no Rio Grande do Norte. Inclusive passou a receber, via rede social, informações sobre a suposta poluição do meio ambiente.

Ao tomar conhecimento dos fatos, e procurando se resguardar de qualquer demanda judicial, a empresa registrou queixa em uma delegacia de polícia Civil, no Estado da Paraíba, relatando o pagamento de um frete para o transporte de um produto seu, que segundo denúncias, estaria sendo extraviado. As denúncias circularam nas redes sociais e chamou a atenção de muita gente sobre o veículo.

Na abordagem, os policiais foram informados por populares de que aquela carreta seria a que estaria envolvida em crimes contra o meio ambiente. No detalhamento da fiscalização, os PRFs constataram que o veículo apresentava sinais notórios de adulteração do chassi, bem como os documentos do caminhão eram falsificados. Verificou-se também que a Carteira de Habilitação (CNH) do condutor era falsa.

Diante dos flagrantes delitos, foi dada voz de prisão ao caminhoneiro, sendo este encaminhado com o veículo à delegacia de Polícia Federal de Mossoró, onde foi autuado pelos crimes de falsidade ideológica, uso de documentos falsos e por adulteração de sinais de identificação de veículo automotor.
Fonte: PRF

Qual sua opinião?