Carro do jipeiro acusado de matar colega é apreendido, mas ele continua foragido da Justiça

O carro (Mitsubishi L 200) do empresário Ailton Berto da Silva, 50 anos, acusado de ter assassinado a tiros um colega e ferido outros dois, durante uma confraternização do Litoral Jeep Clube, ocorrida no sábado passado, em uma residência de um dos membros da entidade, na praia de Redinha Nova, foi apreendida nesta terça-feira pela Polícia Civil. Ailton continua foragido da Justiça e o caso está sendo investigado pela Divisão Especializada em Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Segundo o diretor da DHPP, delegado Júlio Costa, apesar do jipeiro não ter sido preso em flagrante, há qualificadoras que podem agravar a tipificação criminal, já que se trata de um homicídio consumado e dois tentados, onde o acusado portava arma de fogo (pistola calibre 380), não ofereceu chance de defesa às vítimas e praticou o crime por motivo fútil.

A imagem de Ailton Berto está sendo divulgada amplamente pela imprensa, desde a segunda-feira, quando a Justiça de Extremoz decretou sua prisão temporária. Ailton Berto administra uma empresa de perfuração de poços. Segundo o conselheiro e um dos fundadores do Litoral Jeep Clube, um dos colegas que integram a entidade teria conversado com Ailton.

O acusado teria dito a ele que não se recordava do que houve, no momento do crime, e que estava longe de Natal. “Na verdade, ninguém sabe, de fato, onde ele está. Só esperamos que ele se entregue à polícia e esclareça o que o motivou a cometer a tragédia”, disse.

Blog do BG

Qual sua opinião?