Mudar alimentação nem sempre é suficiente para reduzir colesterol

Gordura ruim vem de origem animal, diz especialista Pixabay

O colesterol é uma gordura encontrada na estrutura das células e em alimentos. Ele é essencial para o funcionamento do organismo. Seu excesso é que representa um perigo. O risco de infarto é quatro vezes maior para quem tem colesterol alto.

O colesterol total não deve ultrapassar 200 mg/dl. O LDL (colesterol ruim) acima de 100 mg/dl é perigoso. Já o HDL (colesterol bom) não deve estar abaixo de 40 mg/dl, de acordo com Daniel Magnoni, cardiologista e nutrólogo do HCor (Hospital do Coração), em São Paulo.

Segundo o especialista, a mudança na alimentação, muitas vezes, não é suficiente para reduzir a quantidade de gordura no sangue.

“Se a pessoa precisa reduzir até 15% do nível de colesterol, a mudança de hábitos alimentares é eficaz, depois disso é necessário usar remédios”, explica.

Magnoni diz que a maior parte do colesterol do organismo – cerca de 70% – vem do fígado. Ele esclarece que o grande problema é a ingestão de gordura saturada, pois ela interfere na função do fígado.

“A gordura saturada ocupa os receptores do fígado que captam o colesterol. Então, quanto mais gordura saturada eu ingerir, menos o fígado vai tirar o colesterol do sangue e aí ocorre o excesso”, afirma o nutrólogo.

Colesterol bom e ruim

A gordura boa é aquela de origem vegetal, encontrada por exemplo nos óleos de canola e oliva. Já a gordura ruim vem dos alimentos de origem animal.

“Nesse caso, depende da quantidade [de gordura] que existe no corte da carne. Não dá para dizer que a de porco é melhor ou pior que a de boi, por exemplo”, ressalta Magnoni.

Por sua vez, o conceito de colesterol conhecido popularmente como ruim (LDL) e bom (HDL), na verdade, está associado a um tipo de proteína que se liga a gorduras, segundo o especialista. 

“Boa é aquela proteína que tem muito colesterol grudado, isso quer dizer que ela retirou essa gordura das artérias”, explica.

É esse mecanismo que vai ajudar a prevenir doenças cardiovasculares, como infarto e AVC (acidente vascular cerebral).

R7 – Saúde

Qual sua opinião?