Com seis candidatos por vaga, São Miguel do Gostoso terá maior corrida da história pela câmara

Foto: reprodução

As nove cadeiras da Câmara dos Vereadores de São Miguel do Gostoso terão a maior concorrência da sua história, serão 54 candidatos na disputa o que deixa o páreo com a média de seis candidatos para cada vaga disputada.

Só no último pleito de 2016 foram apenas 32 candidatos o que dá um aumento de 68,75% se compararmos com 2020. Muito distante, aliás, do primeiro pleito gostosense em 1996 que só teve 13 candidatos a vereador e foi o de menor concorrência desde então.

O salário de R$ 5.064,45 (cinco mil, sessenta e quatro reais e quarenta e cinco centavos) pode ser até um chamariz, mas a responsabilidade de se tornar uma figura pública com papeis importantes para o município é maior e tem funções como:

  • Aprovar ou rejeitar projetos de lei;
  • Elaborar decretos legislativos, resoluções, indicações, pareceres, requerimentos;
  • Participar de comissões permanentes;
  • Convidar e/ou convocar o poder Executivo (secretários e prefeito) à Câmara, para prestar esclarecimentos aos parlamentares;

A campanha reserva uma certa expectativa pelo comportamento que o eleitorado terá, afinal são muitas opções e a grande maioria delas coloca seu nome a disposição pela primeira vez.

Só para termos uma noção, 37 candidatos (68,5%) estão em sua primeira campanha eleitoral, enquanto apenas 17 já tiveram a experiência de estar na linha de frente de uma disputa. Mesmo assim alguns nomes já participaram de campanhas com outras funções como, por exemplo, Azenate Câmara que já foi vice prefeito.

A mais jovem concorrendo é Clara Leal (PCdoB) com apenas 20 anos, já a professora Do Monte (MDB) traz para corrida eleitoral sua bagagem de 69 anos sendo assim a mais velha. Outro detalhe é que apenas seis tentam a reeleição, são eles: Adalpe (PSD), Beto de Agostinho (PSB), Micarla Catarina (PL), Nenem dos Morros (PSDB), Paulinho (PSD) e Zé de Luzenário (PCdoB).

Fonte: O Contador de Causos