Com campanha nas ruas, aumentam casos e mortes por covid entre candidatos

O pastor Damaceno Junior, que morreu por covid-19 e concorria como vereador em Curitiba
Imagem: Divulgação

A covid-19 está afetando as campanhas eleitorais. Cinco capitais e várias outras cidades pelo país já têm candidatos infectados desde o início dos eventos de rua, em 27 de setembro. Além disso, pelo menos nove políticos registrados como concorrentes nesta eleição morreram da doença desde 23 de setembro.

A proliferação de casos entre candidatos era esperada por conta das campanhas de rua. “Quanto mais se expõe a pessoa, maior o risco de adquirir a infecção”, afirma a professora e pesquisadora da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) Vera Magalhães.

Ela ressalta que há uma dificuldade em garantir a segurança sanitária dos que participam desses atos políticos. “A máscara é importante, mas não é suficiente. São necessárias outras medidas, como o distanciamento, evitar lugares fechados e contato próximo com os outros”, explica.

Quanto mais pessoas e mais tempo [de exposição], maior o risco. Se não tiver cuidados constantes, como a higienização das mãos, só a máscara não vai proteger –até porque muitas vezes a outra pessoa não usa. Vera Magalhães, pesquisadora da UFPE.

Ela afirma que o número de casos não é uma exclusividade das maiores cidades. “Os candidatos a prefeito de capitais, às vezes, têm mais acesso aos testes [por isso aparecem mais]. Mas nem o político nem o eleitor estão imunes a essa exposição toda”, diz.

UOL Notícias