Abril Indígena: “Eu existo, eu resisto: Indígenas do Rio Grande do Norte para além dos estereótipos”

Os povos originários do Rio Grande do Norte sofreram um processo de apagamento de suas existências. Isso é perceptível em falas como “E existe índio no Rio Grande do Norte?” ou “Índio só existe no Norte do Brasil”.

Além dessas falas  recorrentes que, por si só, já demonstram invisibilidade, no Rio Grande do Norte se criou o mito de que todos os indígenas teriam sido exterminados e, por isso, eles não mais existiriam. Consequentemente, a falta de reconhecimento do contexto do povo indígena potiguar se revela como a permanência de um discurso de silenciamento das vozes dos povos tradicionais ainda presente no Brasil.

Contudo, o estado potiguar conta com 16 comunidades indígenas, das quais 15 se configuram como aldeadas, e reúne aproximadamente 8 mil cidadãos que se auto intitulam  enquanto indígenas, sendo em média 6 mil deles aldeados enquanto os demais vivem  em centros urbanos, conforme dados divulgados pelo NEABI (IFRN, 2021) e Tribuna do Norte (2020).​

Nessa direção, no âmbito do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), os Núcleos de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (NEABI) estão na luta pela efetivação dos direitos e visibilidade dos indígenas no Rio Grande do Norte, ainda mais necessário no atual período de pandemia Covid-19.

Nesse contexto, o NEABI dos Campi de João Câmara e de Ceará Mirim, almejando instigar as discussões e fomentar o surgimento de estratégias para ações de resistências e de fortalecimento dos povos indígenas durante a pandemia, de forma virtual, no mês de abril, promoverá o evento intitulado Abril Indígena, o qual é  um evento organizado pelo NEABI dos referidos Campi do IFRN, contando com a colaboração de membros das comunidades indígenas Rio dos Índios e Amarelão, região circunscrita onde estão localizados os Campi. 

Esta edição, em virtude do contexto pandêmico, ocorrerá em formato virtual e sua transmissão será por meio das páginas dos canais do Youtube dos Campi João Câmara e Ceará-Mirim. 

O evento será nos dias 19, 20 e 21 de abril de 2021 e traz como tema “Eu existo, eu resisto: indígenas do Rio Grande do Norte para além dos estereótipos”, com o propósito de discutir, por meio de debates protagonizados por membros de comunidades indígenas e especialistas, a temática indígena no estado potiguar.​Unindo atividades de exposição oral e momentos culturais, o Abril Indígena 2021 busca contribuir com a visibilidade dos povos originários, abrindo espaço para que questões suas sejam pensadas e discutidas, ao mesmo tempo em que se propõe a construir um momento formativo àqueles que se interessam pela temática indígena ou que queiram conhecer um pouco mais sobre.​

No evento, dialogaremos a respeito dos povos indígenas do Rio Grande do Norte, seus processos de reconhecimento, aspectos socioculturais, artesanato, educação escolar indígena, memória e identidade, bem como a resistência, a luta pela demarcação de terras e as questões de saúde, temas que urgem serem discutidos principalmente no atual contexto das crises decorrentes e/ou aprofundadas pela pandemia de Covid-19. Assim, acreditamos que a responsabilidade e o esforço pela luta e pelo reconhecimento dos povos originários devem ser (com)partilhados pelas diversas instituições e membros da sociedade. ​

Toda a programação do evento é gratuita e aberta à comunidade em geral.  
Confiram a programação:
1° DIA – 19 DE ABRIL
Exibição do filme “A Tradicional Família Brasileira Katu” e bate-papo com o cineasta Rodrigo Sena.  Google Meet (14h às 15h30) – ​Link a ser disponibilizado no dia 18 de abril de 2021​Mesa 1 (16h às 17h30): Museu e memória indígenas – Nilton Xavier (IFRN) e Rafael Souza (Amarelão). – ​YouTube – IFRN Campus João Câmara 

2° DIA – 20 DE ABRIL
Motyrum Amarelão – Grupo de Artesanato Indígena (às 10h) – ​YouTube – IFRN Campus Ceará-Mirim
Mesa 3 (16h às 17h30): Educação Escolar Indígena – Luiz Katu (Catu) e Ivoneide Campos (Amarelão) – YouTube – IFRN Campus João Câmara 
Mesa 4 (19h às 20h30): Identidades indígenas – Cadu Araújo (Rio dos Índios) e Meyriane Costa (Catu) – YouTube – IFRN Campus Ceará-Mirim

3° DIA – 21 DE ABRIL
Mostra de vídeos sobre projetos desenvolvidos no Rio Grande do Norte sobre a cultura indígena (às 10h) – YouTube – IFRN Campus Ceará-Mirim
Mesa 5 (16h às 17h30): Saúde indígena no Rio Grande do Norte – Dioclécio Mendonça (Amarelão) e José Carlos (Amarelão)  – YouTube – IFRN Campus João Câmara 
Mesa 6 (19h às 20h30): Cultura e demarcação de terras indígenas – Glebson Vieira (UFRN) e Tayse Campos (Amarelão) – YouTube – IFRN Campus Ceará-Mirim