Policiais civis do RN fazem protesto por celeridade na vacinação

Foto: Canindé Soares

Os delegados, escrivães e agentes de Polícia Civil do RN realizaram paralisação nesta quarta-feira (02), em todo o estado, das onze da manhã ao meio-dia. O motivo do manifesto é a lentidão no processo de vacinação dos servidores da segurança pública, o que vem causando um alto índice de adoecimento entres os policiais civis.

“Após muitas reclamações passamos para o segundo bloco de prioridades. Comemoramos o início da vacinação, mas a quantidade de doses que vem sendo destinada à Segurança Pública é ínfima”, ressaltou Taís Aires, presidente da Associação dos Delegados de Polícia Civil do RN (Adepol/RN). Segundo ela, apenas 16% do efetivo da Polícia Civil foi imunizados com essas doses.

O objetivo dos policiais é chamar a atenção da população para a lentidão dessa vacinação e serem recebidos pela Secretaria Estadual de Saúde Pública, para a discussão do assunto. “Temos embasamento legal para solicitar a ampliação dessa imunização e queremos discutir isso com a SESAP”, destacou Priscila Vieira, presidente da Associação dos Escrivães de Polícia do RN (Assesp).

Atualmente, segundo dados fornecidos pela Delegacia Geral de Polícia, 219 policiais civis foram acometidos pela Covid-19. Outros 212 tomaram duas doses de vacina e 345, somente a primeira. “O ideal é que todos os policiais sejam vacinados urgentemente. Todos. Porque quem protege a população precisa ser protegido”, destacou a presidente do Sindicato dos Policiais Civis do RN (Sinpol), Edilza Faustino, que definirá adesão ao movimento em assembleia realizada na noite de hoje (01).

Entre 11 e 12 horas, os policiais cruzaram os braços em suas unidades e, ao final da paralisação, as sirenes das viaturas foram ligadas, como sinal de emergência para o pleito.

Jacson Damasceno
Assessoria de Imprensa da Adepol-RN

Qual sua opinião?