Empreendedores de 11 cidades do RN recebem apoio do Microcrédito da AGN

O Governo do Estado do Rio Grande do Norte, através da Agência de Fomento (AGN-RN), assegurou o apoio por meio de financiamento a 170 microempreendedores de 11 cidades do estado. Em uma série de liberações realizadas entre os dias 9 e 11 de fevereiro, a economia potiguar recebeu a injeção de R$ 795,9 mil por meio do programa Microcrédito do Empreendedor Potiguar.

Os financiamentos disponibilizados pela Agência atenderam empreendedores formais e informais das de São Paulo do Potengi, São Tomé, Lucrécia, Umarizal, Portalegre, Martins, São Francisco do Oeste, Severiano Melo, Rodolfo Fernandes, Itau e Taboleiro Grande. Os investimentos realizados auxiliam no impulso a empreendimentos nos quatro cantos do estado e, claro, a desenvolver a economia através do empreendedorismo.

Para a diretora-presidente da AGN-RN, Márcia Maia, os financiamentos via programa Microcrédito do Empreendedor integram um esforço promovido pelo Governo do Estado em apoio ao setor produtivo, que dentre as várias iniciativas, têm buscado garantir o acesso facilitado e democrático ao crédito.

“O estímulo ao setor produtivo têm sido uma diretriz básica da instituição, especialmente sob o governo da professora Fátima Bezerra. Por isso, temos buscado diuturnamente alternativas não apenas de crédito e ampliado o acesso para diversos setores da economia, mas principalmente na busca por oferecer condições para garantir o apoio necessário para que nossos empreendedores possam movimentar seus negócios, investir e enfrentar as dificuldades”, destacou Márcia.

Na AGN, microempreendedores da Agricultura Familiar, Artesanato, Comércio, Cultura, Economia Solidária, Indústria, Serviços e Turismo estão entre os segmentos atendidos e que podem buscar o suporte para seus empreendimentos. Empreendedores informais têm acesso a financiamentos de até R$ 3 mil e a possibilidade de parcelamento de 12 meses. Já no caso de microempreendedores formalizados, os valores podem chegar até R$ 12 mil e parcelamento de até 24 meses. A carência para iniciar o pagamento varia de acordo com o setor atendido.