Compra Direta movimenta mais de R$ 1 milhão no RN no primeiro trimestre

O programa mobilizou 56 municípios e beneficiou 561 agricultores

O Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) – Compra Direta com Doação Simultânea encerrou seu primeiro trimestre de execução no Rio Grande do Norte movimentando R$ 1,034 milhões com a compra de produtos da agricultura familiar.  O Compra Direta é executado pelo Governo do Estado, através da Emater-RN, e financiado com recursos do Ministério da Cidadania.

Nesse período, foram adquiridas mais de 234 toneladas de alimentos de 89 variedades, como frutas, verduras, derivados do leite, ovos, castanha, mel, bolos, doces, entre outros. Com os produtos, foi possível montar e distribuir 21.304 kits.

Os alimentos do PAA – Compra Direta são doados a pessoas em vulnerabilidade social e insegurança alimentar, assistidas por instituições sociais como hospitais, creches e asilos, ou matriculadas na rede pública de ensino.

A execução do programa iniciou em maio passado, em plena pandemia da Covid-19, mobilizou 56 municípios e beneficiou 561 agricultores e agricultoras familiares, que tiveram meios de escoar sua produção mesmo diante da maior crise sanitária do século.

Nesse período, os alimentos foram entregues a 119 entidades, beneficiando diretamente 10.652 famílias, incluindo alunos da rede pública de ensino que estão sem aulas.

A próxima etapa do PAA Compra Direta iniciará no final de setembro e terá o aporte de mais R$ 5 milhões, por meio da Medida Provisória 957, de 24 de abril de 2020, que trata do enfrentamento à pandemia do coronavírus.

Essa nova etapa atenderá a mais 93 municípios já pré-cadastrados, através de critérios determinados pelo Ministério da Cidadania. Uma das exigências é que os municípios estejam com nível de médio a alto no mapa da vulnerabilidade alimentar e nutricional. Na fase 2 do PAA, a meta foi cadastrar mais 1000 novos agricultores familiares. Desse total, no mínimo 50% dos cadastros serão voltados às mulheres. O PAA 2 será operacionalizado até final de fevereiro de 2021, priorizando a distribuição dos alimentos nas escolas estaduais.