Unicef sugere que boas práticas educacionais do RN sejam compartilhadas com outros estados

O Governo do Rio Grande do Norte e a Unicef (Fundos das Nações Unidas para a Infância) se reuniram nesta quarta-feira (7) para discutir políticas educacionais na pandemia. Na ocasião, o órgão internacional compartilhou ferramentas, demonstrou interesse em disseminar as que já são utilizadas pelo estado e ofereceu apoio para aprofundar o tema da retomada das aulas presenciais com segurança.

“É doloroso constatar que estamos há um ano sem as atividades presenciais na educação. Estamos falando de um mundo real cheio de desigualdades. Boa parte dos nossos estudantes do ensino público não têm inclusão digital, não têm acesso a ferramentas que possam mitigar os impactos dessa pandemia”, destacou a governadora Fátima Bezerra durante encontro virtual. “Temos que lutar com todas as nossas forças para que esse tempo tenha sido comprometido, mas não perdido.”

A representante da Unicef no Brasil, Florence Bauer, elogiou os esforços da equipe potiguar e sugeriu que as práticas potiguares sejam compartilhadas pela governadora no Consórcio Nordeste e Fórum de Governadores.

A governadora Fátima Bezerra concordou prontamente em falar sobre os aplicativos usados como o EducaRN em Ação e a Conferência SIGEduc RN – ferramentas gratuitas que possibilitam o acesso a conteúdos educacionais, bem como facilita a comunicação à distância entre estudantes e professores -, além de parcerias com rádios e contrato com a TV aberta.

O Estado também dispõe do Documento Potiguar, que traz diretrizes para retomada das atividades presenciais nas escolas e tem por objetivo subsidiar a elaboração de protocolos com orientações normativo-pedagógicas e de biossegurança em todos os Sistemas Estadual e Municipais de Ensino do RN.

As escolas da rede estadual estão adotando protocolos sanitários para que a retomada presencial seja possível com todas as medidas sanitárias já implementadas: uso de tapetes sanitizantes, totens de álcool em gel, máscaras, sinalizações e termômetros digitais. Mais de 90% da rede está pronta.

Qual sua opinião?