Governadora participa da posse do reitor eleito do IFRN

A posse do professor José Arnóbio ocorre oito meses após sua eleição, realizada em 04 de dezembro de 2019

A governadora do Rio Grande do Norte, professora Fátima Bezerra, participou da posse do reitor do IFRN, eleito ainda em 2019. Depois da intervenção do governo federal durante oito meses na instituição, o professor José Arnóbio tomou posse nesta sexta-feira, 05.

Para relembrar os fatos, José Arnóbio ganhou a eleição em 04 de dezembro de 2019 com 48,25% dos votos válidos. Em segundo lugar ficou Wyllys Farkatt Tabosa, que era o reitor no momento, e em terceiro ficou José Ribeiro de Souza Filho. Porém, o então ministro da Educação, Abraham Weintraub, não o nomeou o primeiro lugar para o cargo, colocando em seu lugar Josué de Oliveira, que não havia participado das eleições. A nomeação do interino tomou como base a Medida Provisória 914, que não está mais em vigor. A gestão pro tempore durou oito meses.

Após determinação judicial, expedida no último dia 11 de dezembro de 2020 pela juíza Gisele Leite, da 4ª vara da Justiça Federal do Rio Grande do Norte, José Arnóbio de Araújo Filho foi nomeado como reitor do IFRN. A nomeação consta na edição 243 do Diário Oficial da União.

“Essa não é uma simples posse. É, sobretudo, um momento histórico, que marca a resistência e a luta da comunidade que elegeu o professor Arnóbio como legítimo representante, e lhe foi tirado esse direito”, afirmou a governadora em seu discurso.

O reitor recém empossado, professor José Arnóbio, bastante emocionado, agradeceu o apoio da governadora, relembrando sua atuação para a implantação do Plano de Expansão da Educação Tecnológica no Rio Grande do Norte. Relembrou também a crise que vivenciou nesses últimos meses.

“Somos uma instituição que liberta, que emancipa, que respeita as diferenças, que valoriza a liberdade, que propicia a possibilidade de sonhar. Como diria Rubem Alves: ‘Há escolas que são gaiolas, e há escolas que são aves’. Faço um apelo para que sonhemos alto, que sonhemos coletivamente”, discursou o professor Arnóbio.

Ele enfatizou a ciência e o conhecimento, ao reafirmar o papel da instituição como espaço principal de saber. Falou da carência do debate crítico, do crescimento da anticiência e do negacionismo. “Precisamos nos desdobrar na qualidade da formação e de produção de conhecimento, da cultura, da tecnologia, da informação”, finalizou.