Pobreza em expansão: pandemia multiplica a população de rua em BH

(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)

As madrugadas estão mais frias, a pandemia cresce sem dar sinal de alívio, a oferta de serviço, principalmente de “bicos”, escasseia e as vias públicas da capital, aos olhos de quem trabalha diretamente com a população em situação de rua, ganham novos moradores a cada dia.

“É visível o aumento quando comparamos o período anterior à pandemia e o de agora. Aqui, dobrou. Recebíamos 400 pessoas e agora são 800 por dia”, afirma a coordenadora da Pastoral de Rua da Arquidiocese de Belo Horizonte, assistente social Claudenice Rodrigues Lopes, do Canto da Rua Emergencial, projeto aberto desde junho na Serraria Souza Pinto, na Praça da Estação, Centro de BH.

No local,  há atendimento social, avaliação básica de saúde, lavanderia, café da manhã e outros benefícios oferecidos a homens e mulheres com investimentos, a partir de setembro, da Prefeitura de Belo Horizonte, via Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, e gestão das pastorais de Rua de BH e Nacional do Povo da Rua.

Conforme o último censo municipal (2013), havia 4,6 mil pessoas em situação de rua na capital, sendo a maior parte masculina (89%). Mas basta um giro pelas ruas e avenidas, áreas sob viadutos e praças para ver o tamanho dessa chaga social e como ela ganha corpo noite e dia, incluindo várias gerações dormindo sob caixas de papelão, em barracas de plástico ou enroladas em cobertores puídos.

O quadro se torna ainda mais evidente e dramático na porta das unidades municipais para acolhimento ou encaminhamento das  pessoas, de forma especial nas duas casas de passagem – o Albergue Tia Branca (400 leitos), no Bairro Floresta, na Região Centro-Sul, e o Abrigo São Paulo (200), no Bairro Primeiro de Maio, na Região Norte. Para atender à demanda, os leitos foram mantidos na pandemia, embora eliminando atividades coletivas nos espaços e reforçando os protocolos de segurança, como uso de máscaras, higienização das mãos e distanciamento social.

Estado de Minas