Plano de privatização do governo Bolsonaro é “uma farsa”, diz Elena Landau

Elena Landau é economista e advogada, foi diretora de privatizações do BNDES e presidente do Conselho de Administração da Eletrobrás

A economista e advogada Elena Landau defende que não há clima para privatizações no governo atual. Para ela, o plano de desestatização proposto pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, não passou de “1 discurso totalmente irreal” durante a campanha eleitoral de 2018.

Elena Landau é 1 dos nomes mais influentes no meio do liberalismo brasileiro. Comandou a diretoria de desestatização do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico) durante o governo de Fernando Henrique Cardoso.

Ela afirma que Guedes precisa negociar as vendas das estatais com outras pastas.

“Para fazer privatização, o ministro da Economia é que tem que entrar na bola dividida com o ministro da Infraestrutura, que não quer vender a Infraero, ou com o Ministro das Telecomunicações, que não quer vender EBC e Telebras. E você tem que ter 1 árbitro. Pode ser o Chefe da Casa Civil, pode ser o presidente da República. Quando você não tem árbitro você fica num conflito e não muda nada“, afirmou em entrevista ao Poder360.

Para Landau, as propostas de privatizações do governo Bolsonaro são “uma farsa”. Ela relembra as críticas do então candidato direcionadas ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso por ter privatizado a companhia mineradora Vale, em 1997.

A economista explica ainda que o discurso de Paulo Guedes é “totalmente irreal” quando traz o benefício das arrecadações das vendas equivalentes a R$ 1 trilhão.

“Nunca existiu esse valor. Ele nunca mostrou essa conta porque essa conta não existe. E se existe, é porque ele fez a conta errada. Mesmo que você some o valor de todas as estatais federais do governo, de participação e de controle de verba, você não chega próximo disso. Mesmo porque o governo não possui 100% da Petrobras, da Eletrobras e do Banco do Brasil, então esse número não existe.”

Fonte: Poder 360