Microempresas potiguares abriram 1,4 mil novas vagas de emprego em abril

As microempresas do Rio Grande do Norte mantiveram o ritmo de contratações registrado desde o início deste ano. As empresas desse porte foram as únicas a contratar mais do que demitir e fecharam abril com um total de 1.429 novas vagas criadas no mês. Porém o grande volume de demissões ocorridas nas demais organizações, principalmente as médias empresas que, em 30 dias, encerraram 1.223 postos de trabalho, o saldo de emprego no estado em abril ficou negativo em 61 vagas.

Essa é a primeira vez que o RN registra déficit de vagas no mercado de trabalho formal desde janeiro. Essas são algumas das informações que constam na edição de maio do Mapa do Emprego no Rio Grande do Norte, o informativo mensal elaborado pelo Sebrae-RN que analisa a evolução das contratações e demissões com carteira assinada tendo como base os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

O boletim, que é organizado pela Unidade de Gestão Estratégica (UGE) do Sebrae-RN, foi divulgado na última quarta-feira 26 e está disponível na íntegra para consultas ou download no portal www.rn.sebrae.com.br/. O número de novas contratações das microempresas em abril deste ano foi menor que no mês anterior, quando o saldo nas empresas desse porte no RN foi de 2.852 vagas. Mas, em compensação, foi maior que o registrado em no mesmo mês do ano passado quando esse segmento registrou uma perda de 3.470 vagas.

Nos quatro primeiros meses deste ano, as microempresas potiguares foram responsáveis pela abertura de 11.281 novos postos de trabalho com carteira assinada – um crescimento expressivo em relação ao acumulado no primeiro quadrimestre de 2020, quando essas empresas haviam acumulado com saldo de apenas 642 vagas.

O Mapa do Emprego no Rio Grande do Norte mostra ainda que em abril ocorreram 12.380 admissões contra 12.441 desligamentos e por isso o saldo final no mês ficou negativo em 61 vagas, o terceiro pior entre os estados do Nordeste, ficando à frente apenas de Sergipe (-92) e Alagoas (-3.208).

Os setores que mais contribuíram para esse resultado negativo foram a construção civil, que perdeu 453 postos de trabalho, e o setor agropecuário, cujo saldo foi de – 230 vagas. O comércio a indústria também registraram baixas de 88 e 86 vagas respectivamente. Em contrapartida o setor de serviço foi o único a gerar novas vagas. Ao todo, 796 empregos.

O saldo acumulado de emprego no estado neste primeiro quadrimestre do ano é de 5.866 vagas, frente às 15.873 vagas perdidas no mesmo período do ano passado. Atualmente, o estado conta com 438.107 trabalhadores contratados com carteira assinada.

A publicação, como o próprio título indica, aponta as regiões onde ocorreram mais oportunidades de emprego . Em abril as novas vagas foram abertas principalmente em Mossoró, Alto do Rodrigues, Riachuelo, Goianinha e Pau dos Ferros. Por outro lado, a capital Potiguar foi a recordista em número de demissões. Natal perdeu no quarto mês de 2021 905 postos de trabalho. Os demais municípios como perdas de emprego foram Caraúbas, Upanema, Canguaretama e Pedra Grande.

Agora RN