Investimentos em áreas sociais com recursos do FGTS caem mais de 30% e governo ainda estuda novas retiradas do Fundo

Os recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) destinados às áreas de habitação popular, saneamento básico e infraestrutura urbana vêm diminuindo ano a ano. Segundo o site oficial do Fundo, os valores efetivamente executados no setor de saneamento caíram mais de 30%: saíram de R$ 2,25 bilhões em 2018 para R$ 1,97 bi em 2019 e R$ 1,36 bilhão, ano passado.

Em habitação, o orçamento do FGTS para a concessão de financiamentos a famílias com renda bruta mensal de até R$ 4 mil sofrerá uma queda de R$ 14,5 bilhões: reduzirá de R$ 48 bilhões (em 2020) para R$ 33,5 bi este ano, de acordo com a Caixa.

Na área de infraestrutura urbana, os valores executados com recursos do Fundo de Garantia também foram reduzidos: saíram de R$ 909 milhões em 2019 para R$ 859 milhões, ano passado. Em relação ao setor de habitação popular, os investimentos com recursos do FGTS diminuíram quase R$ 2 bi: foram R$ 54,3 bilhões em 2019 e R$ 52,6 bi em 2020. Além de reduzir em 5,8% a quantidade de unidades habitacionais — de 448.013 para 421.826 moradias — tal queda de investimentos ainda impactou na geração de empregos neste segmento: as oportunidades de trabalho caíram 11,5%.

Pressionado pelo recrudescimento da pandemia do coronavírus, pelas projeções de aumento do desemprego e pelo término abrupto do auxílio emergencial — o que deverá resultar na queda da renda em 17% neste primeiro trimestre em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo a consultoria Oxford Economics — o governo estuda liberar o saque de mais R$ 12 bilhões do Fundo que não foram retirados em 2020 e retornaram às contas do FGTS. O argumento da equipe econômica é estimular a economia sem precisar aumentar os gastos públicos.

“Além de esvaziar ainda mais o Fundo de Garantia, este dinheiro não salvará a economia nem a vida de milhões de brasileiros que não têm recursos no FGTS e dependiam do auxílio emergencial para sobreviver nesta crise, como é o caso de desempregados e trabalhadores informais”, observa o diretor de Formação da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Jair Pedro Ferreira. “Neste momento crítico, os saques do Fundo de Garantia podem aliviar as dificuldades de parte da população. Mas, o FGTS, além de ser uma segurança financeira para os trabalhadores, tem um papel social fundamental no desenvolvimento de políticas públicas que amparam os brasileiros”, argumenta.

Conforme lembra o diretor da Fenae, além de autorizar os saques do FGTS Emergencial de R$ 1.045 — que somaram um montante de R$ 36,5 bilhões em retiradas do Fundo — o governo ainda permitiu o Saque-Aniversário, reduziu a multa por demissão sem justa causa e ainda suspendeu o pagamento de prestações habitacionais ao Fundo de Garantia. “Então, houve mais saques do que depósitos e o lucro do FGTS encolheu drasticamente”, ressalta Ferreira.

Fonte: Fenae