Médico potiguar usa técnica inovadora para retirada de tumores da coluna

Especialista em retirar tumores da coluna com técnicas minimamente invasivas, o neurocirurgião potiguar Márcio Ramalho, do Trauma Center, voltará a realizar, desta vez na próxima sexta-feira 27, uma cirurgia que utiliza uma técnica inovadora para tratar o problema nos pacientes.

Será a 2ª vez em apenas três meses que o médico fará o procedimento no Brasil.

A nova cirurgia vai acontecer em Campo Grande (MS). Márcio Ramalho foi convidado pelo também neurocirurgião Iuri Weinmann. A cirurgia será transmitida pela internet, para que profissionais do mundo inteiro conheçam melhor o procedimento. A última cirurgia, que também foi transmitida pela web, aconteceu em Natal no dia 4 de setembro.

A partir da técnica de videoendoscopia, Márcio Ramalho vai retirar um tumor benigno da região lombar da coluna de um paciente de 42 anos. Com essa técnica, o principal destaque da cirurgia é que, para fazer a retirada do tumor, o neurocirurgião só precisará abrir menos de 1 centímetro na pele do paciente.

O médico potiguar ressalta que, para os pacientes, especialmente os idosos – principais acometidos de problemas na coluna –, quanto menos invasiva for a cirurgia, melhor. Com a técnica minimamente invasiva, diminuem os riscos de traumas e infecções, sem contar que a recuperação pós-operatória é muito mais simples.

Da última vez que o neurocirurgião realizou o procedimento, em Natal, a paciente – que é diabética e hipertensa e tem hipotireoidismo e osteoporose – precisou de apenas 48 horas para retomar suas atividades normais. Além da rapidez na recuperação, ela não precisou usar sequer analgésicos para controlar dor pós-operatória. Além disso, todos os sintomas neurológicos desapareceram depois da cirurgia.

Márcio Ramalho conta que é um dos raros especialistas no mundo que utilizam essa técnica para tratar tumores benignos na coluna. Ele explica que a videoendoscopia já é utilizada para tratar problemas como a hérnia de disco, mas que, para retirar tumor benigno, só foi empregada oito vezes – todas por ele em seus pacientes.

“A videoendoscopia de coluna vem ganhando vários adeptos no Brasil e em vários países no tratamento das hérnias de disco e nas estenoses da coluna lombar. A estenose da coluna é uma patologia muito comum nos idosos, levando a um quadro de dor ciática e dificuldade para caminhar. A videoendoscopia diminui muito o trauma cirúrgico e anestésico associado aos procedimentos a céu aberto, reduzindo as complicações pós operatórias relacionadas ao acesso cirúrgico”, conta Márcio Ramalho.

O neurocirurgião potiguar conta outras vantagens da cirurgia minimamente invasiva. “O paciente só leva um ponto na pele e tem alta com menos de 12 horas. Destrói menos o músculo e a pele. Com menos destruição tecidual, também há menos risco de infecção. É uma cirurgia minimamente invasiva. Além do mais, diminui o trauma metabólico da anestesia. Afinal de contas, quanto maior o corte, maior é a lesão dos tecidos e o anestésico para que o paciente suporte o corte”, enfatiza Márcio Ramalho.

Com informações do Agora RN