Opinião: “luz vermelha” acesa: cresce segunda onda da Covid”

Ney Lopes

A “luz vermelha” acendeu-se e a epidemia cresce vertiginosamente. Mostra-se acertada a decisão do prefeito Álvaro Dias, de Natal, ao definir medidas preventivas, para que a “segunda onda” não chegue à cidade de Natal.

Contra fatos não há argumentos.

A América Latina é o epicentro, lugar antes ocupado por China, Europa e EUA.O Brasil registra o segundo maior número de casos no mundo. Nações fora da Europa, que pareciam ter controlado os surtos, enfrentam aumento de casos.

Entre elas, Israel, Peru, Austrália e Japão.

A Espanha foi a exceção durante agosto. Agora, a curva de infecções está em alta novamente. O Centro Europeu de Prevenção alertou, que em todos os países monitorados, os novos casos aumentaram.

Neste final de semana, pelo terceiro dia consecutivo, a Alemanha, que havia controlado, superou 4 mil novas infecções. A primeira ministra Merkel, com lucidez, se preocupa em não paralisar a economia e manter as escolas abertas. Porém, decretou severas punições, até de contatos de físicos em reuniões de famílias.

Enquanto isso, prossegue a inconveniente eleição municipal brasileira, com discussões bizantinas e sandices de exaltação à democracia, através da abertura de contatos físicos das pessoas em aglomerações, comícios, carreatas e até reuniões políticas sem limites de participantes.

O bom senso justifica flexibilização em certas áreas, onde são possíveis controles sanitários.

Mas, abrir durante uma campanha eleitoral?

Isso é democracia?

A cada dia, o exemplo de responsabilidade, com a preservação das vidas humanas, dado pelo prefeito de Natal, torna-se mais justificável.

A Constituição permite tal medida e a justiça eleitoral cumpriu o seu dever, ao homologar o Plano de Segurança Sanitária para as Eleições Municipais de 2020”, considerado prévio parecer técnico elaborado por “autoridade sanitária nacional”.

No Ceará, lideranças municipais tomam a iniciativa e procuram a justiça eleitoral para acordos de restrições, durante a campanha eleitoral.

E no RN, especialmente em Natal?

Qual será o saldo sanitário de infectados da Covid19, até 15 de novembro?

Deus proteja o nosso povo!