Brasil completa 100 dias com média móvel de mortes por Covid acima de 1 mil

Nesta sexta-feira (30), Brasil completou 100 dias de uma trágica segunda onda de mortes na pandemia que está demorando a ser atenuada; durante todo esse período, foram mais de 1 mil mortes registradas por dia na média móvel. O total de óbitos quase dobrou: saltou de 212 mil em 20 de janeiro para 404 mil.

Abril foi o mês mais letal da pandemia, encerrado com 82.401. O mês chega ao fim com a média móvel de óbitos acima da marca de 2,5 mil. Março, o segundo pior mês, teve 66.868 óbitos anotados.

O país registrou 2.870 mortes pela doença nas últimas 24 horas e totalizou nesta sexta 404.287 óbitos desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias chegou a 2.523 –mesmo número da véspera. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de -13%, indicando tendência de estabilidade nos óbitos decorrentes do vírus. É o segundo dia na faixa estável, após seis dias seguidos apontando queda.

Os números estão no novo levantamento do consórcio de veículos de imprensa sobre a situação da pandemia de coronavírus no Brasil, consolidados às 20h desta sexta. O balanço é feito a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde.

O país também completa agora 45 dias com a média móvel de óbitos acima dos 2 mil mortos por dia. Para efeito de comparação: no ano passado, o pior período da primeira onda registrou 31 dias seguidos de média móvel acima da marca de 1 mil. O recorde, na época, foi de 1.097 óbitos por dia, média registrada em 25 de julho.

Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 14.665.962 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 73.076 desses confirmados no último dia. A média móvel nos últimos 7 dias foi de 61.122 novos diagnósticos por dia. Isso representa uma variação de -6% em relação aos casos registrados em duas semanas, o que indica tendência de estabilidade nos diagnósticos. Pelo segundo dia essa média aparece acima da casa dos 60 mil, após uma semana com números inferiores.