Atentados: Escolas, unidades de saúde e viaturas da polícia e ônibus são alvos de ataques no interior do AM

Viatura da polícia é destruída em Parintins. — Foto: Divulgação

Uma onda de atentados foi registrada neste domingo (6), na capital e em algumas cidades do interior do Amazonas. Parintins, Manacapuru e Careiro Castanho foram alguns municípios que também sofreram ataques.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM) informou que os ataques foram ordenados de dentro de um presídio da capital, e acontecem em represália por conta da morte de um traficante.

Em Manacapuru, criminosos atearam fogo em duas salas do Centro de Referência da Assistência Social (Cras), e em um ônibus. Não há informações sobre pessoas presas ou feridas.

Em Parintins, foram registrados ao menos cinco focos de incêndio. Segundo o comandante do 11º Batalhão da Polícia Militar de Parintins, tenente-coronel Corrêa Jr, em todos os casos foram jogados líquidos inflamáveis conhecidos como “coquetel molotov”.

Na sede da cidade, foram depredadas duas escolas, ônibus no bairro Paulo Correa, e uma viatura da polícia que estava em um oficina. Na comunidade Vila Amazônia, uma Unidade Básica de Saúde (UBS) foi depredada, e um homem foi preso.

No Careiro Castanho, moradores informaram que criminosos atearam fogo na secretaria de obras da cidade e outros prédios públicos. Veículos também foram destruídos nos locais. Não há informações sobre feridos ou presos.

Atentados em Manaus

Ao menos 16 veículos foram incendiados durante a madrugada e as primeiras horas deste domingo (6) em Manaus. Um vídeo obtido pela polícia mostra criminosos ateando fogo ao prédio onde funciona uma estação de ônibus.

“Os ataques foram motivados em função da morte de um traficante. E a inteligência levantou que essa determinação veio de dentro do presídio. Eu quero informar que quem for localizado dando essa ordem, será solicitada a transferência deles para presídio federal”, disse o secretário de Segurança Pública do Amazonas, Coronel Louismar Bonates, na manhã deste domingo.

Do g1 Amazonas

Qual sua opinião?