Família denuncia que militar da Marinha morreu em piscina sem socorro

Foto: reprodução

Familiares do sargento da Marinha Giovani Lima, de 30 anos, denunciam que ele morreu afogado em um clube de Mesquita (RJ) que não tinha salva-vidas. A Polícia Civil do Rio de Janeiro investiga a morte, que aconteceu no último dia 10 de janeiro.

Giovani costumava treinar para o teste de aptidão física do curso de mergulho da Marinha, que aconteceria em março, mas teria passado mal e se afogado. Parentes disseram para a TV Globo que ele chegou a ficar 10 minutos submerso e foi resgatado por um segurança.

“Eu nunca fui fã desse lugar porque eu sempre achei perigoso e o meu marido sempre falava que as piscinas são fundas. Naquele dia, ele saiu e foi. Quando já estava lá, me mandou uma mensagem dizendo que já estava na piscina”, relatou para o G1 Rio companheira de Giovani, Stephanie Cristina.

O militar morreu quando fazia um mergulho livre de apneia, em que se fica debaixo da água só com o ar dos pulmões. Durante esse tipo de exercício, ele usava um peso na cintura.

A família ficou sabendo da morte pelo plano de saúde do militar. Ele já chegou morto na unidade de saúde.

METROPOLES