Ex-apenado muda de vida com produção de vassouras no RN

Foto: Marcio Morais

Das grades ao empreendedorismo. Essa foi a trajetória de José Camilo Neto, de 42 anos, que criou sua própria fábrica de vassouras de garrafa pet após sair do Centro de Detenção Provisória de Apodi, na região Oeste do Rio Grande do Norte, onde ficou preso por 4 anos e meio.

Foi exatamente atrás das grades que ele aprendeu o trabalho que atualmente lhe sustenta.

José, que mora no município de Itaú, também no Oeste potiguar, foi preso em julho de 2017, segundo ele, “por um erro” que cometeu.

Por causa do bom comportamento, ele foi incluído no projeto ‘Varrendo a violência, empregando a paz’, realizado no CDP de Apodi desde 2017. Nele, os internos produzem vassouras com garrafas pet recicladas e, a cada três dias trabalhados, ganham um dia de remissão.

“O primeiro quesito é ter um bom comportamento. Um interno que não dê trabalho, que não tenha problemas de convivência na ficha. E José Camilo tinha um bom comportamento. Aí demos a oportunidade para ele trabalhar na limpeza e, em seguida, para trabalhar na produção das vassouras”, lembrou o diretor da unidade, Marcio Morais.

José Camilo conta que se apaixonou pela reciclagem. Em fevereiro de 2022 ele progrediu para o regime semiaberto e passou a cumprir a pena em casa, tornozelado. Foi quando ele começou a produzir as próprias vassouras.

Fonte: g1 RN

Copy link