RN instituto Senai de inovação em energias renováveis é inaugurado para impulsionar geração de energia limpa no brasil

O Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis (ISI-ER) – referência da rede SENAI no Brasil para pesquisa, desenvolvimento e inovação com foco em energia eólica e solar – será oficialmente inaugurado nesta terça-feira (15) no Rio Grande do Norte, com perspectivas de ampliar a oferta de soluções para impulsionar a geração de energia limpa no Brasil e “destravar gargalos da indústria”. A expectativa é elevar em 50%, ainda este ano, a carteira de projetos com o setor, estimada atualmente em R$ 20 milhões.

A cifra engloba serviços prestados a empresas brasileiras e a multinacionais, em operação nos diversos elos da cadeia produtiva. A estimativa é que até dezembro alcance R$ 30 milhões e continue em expansão, na esteira do crescimento do setor e do avanço das energias renováveis na matriz energética brasileira.

“O ISI-ER complementa as ações do Centro de Tecnologias do Gás e Energias Renováveis (CTGAS-ER), a unidade do SENAI que forma mão de obra qualificada para a indústria. O Instituto fará pesquisas, desenvolvimento, inovação e outros serviços, e passa a integrar com o CTGAS-ER o que chamamos de HIT, o nosso Hub de inovação e tecnologia. O principal objetivo é elevar a competitividade dessas indústrias”, diz o diretor regional do SENAI RN, Emerson da Cunha Batista.

A cerimônia marca a conclusão das instalações e a operação plena dos laboratórios, cujas atividades tiveram início e vêm acelerando em Natal (RN) desde 2019. A inauguração oficial das instalações será realizada a partir das 17h, com transmissão ao vivo pelo YouTube, no canal HIT – Hub de Inovação e Tecnologia.

Entre os diferenciais da unidade, um dos destaques é o Túnel de Vento, primeiro laboratório do Brasil projetado para atender a demanda da indústria eólica.

O Túnel realiza pesquisas, desenvolvimento e prestação de serviços de calibração de anemômetros, instrumentos que medem velocidade e direção de ventos para o setor – e permite, ainda, avaliação de desempenho de estruturas e formas que precisam ser submetidas a diferentes intensidades de ventos.

O início da operação comercial do laboratório, nesta terça-feira, permitirá reduzir em pelo menos 3 meses o tempo de logística que as empresas gastam atualmente para realizar o serviço no exterior, explica o coordenador do ISI-ER, Antônio Medeiros.

O Túnel de Vento integra o chamado “laboratório de energia eólica” e se soma a laboratórios nas áreas de energia solar e de sustentabilidade do Instituto. Os trabalhos são desenvolvidos por uma equipe de pesquisadores formada por engenheiros, meteorologistas, geógrafos e químicos, com o apoio de mestres e doutores bolsistas nessas áreas.

O Rio Grande do Norte – escolhido como sede – é o maior produtor de energia eólica do Brasil e também o estado com a maior potência prevista para os próximos anos. A expectativa, segundo Medeiros, é atender a demanda não só do estado, mas do Brasil inteiro.