Prédio da Aprosoja em Brasília é alvo de ato contra Bolsonaro: “Agro é morte”

Movimentos que compõem a via campesina realizaram uma manifestação, nesta quinta-feira (14/10), na sede da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja), no Lago Sul, em Brasília. A ação denunciou o protagonismo que o agronegócio cumpre no crescimento da fome, da miséria e no aumento do preço dos alimentos no Brasil.

“Soja não enche prato. Bolsonaro financia a fome”, escreveram os manifestantes nas paredes do prédio. “Bolsoagro é fome. Aprosoja é fome. Agro é morte”, dizem outros letreiros.

Participaram da ação o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o Movimento pela Soberania Popular na Mineração(MAM), o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a Pastoral da Juventude Rural (PJR), o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), o Movimento de Mulheres Camponesas (MMC), a Coordenação Nacional de Articulação de Quilombos (CONAQ) e Movimento das Pescadoras e Pescadores Artesanais (MPP).

Procurada, a Aprosoja ainda não se manifestou oficialmente sobre o ato. O espaço segue aberto.

O presidente da associação, Antonio Galvan, foi alvo de mandados de busca a apreensão expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em agosto deste ano, devido aos atos antidemocráticos que foram realizados em 7 de Setembro. Nas vésperas do ato, o STF chegou a bloquear R$ 20 milhões.

Fonte: Metrópoles

Qual sua opinião?