No Outubro Rosa, Sociedade Brasileira de Mastologia – Regional Rio Grande do Norte aborda importância dos exames preventivos

“Quanto Antes Melhor” alerta população para adoção de estilo de vida saudável 

Com a chegada do Outubro Rosa e a permanência da pandemia do Covid-19, o cenário do câncer de mama no país ainda preocupa. Por conta disso, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) e a Regional Rio Grande do Norte, reforçam sua mensagem à população para a importância do diagnóstico precoce, com a realização de exames preventivos e visitas regulares ao médico.

O movimento intitulado de “QUANTO ANTES MELHOR”, chama atenção para a necessidade de adoção de um estilo de vida que insira a prática de atividades físicas e alimentação saudável, minimizando riscos não só do câncer de mama, mas também de muitas outras doenças. Outra mensagem importante é para, quando preciso, o tratamento seja iniciado logo após o diagnóstico, aumentando a sobrevida e chances de cura do paciente.

Durante a pandemia houve uma redução de mais de 70% na presença de mulheres nas unidades hospitalares em busca de exames preventivos e tratamento. “O isolamento social foi necessário, no entanto, precisamos enfatizar de que determinados casos não podem esperar, a exemplo dos tratamentos oncológicos e exames preventivos para a detecção precoce de algumas enfermidades”, comenta a presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia – Regional Rio Grande do Norte, Dra. Daniella Gama.  O diagnóstico precoce aumenta em 95% as chances de cura e a visita ao mastologista é essencial para essa avaliação. Em 2019 foram mais de 18 mil mortes e, em 2021, estima-se que tenha 66.280 novos casos.

A mastologista evidencia ainda que é importante fazer o rastreamento e os devidos exames para detecção precoce da doença e que mulheres, principalmente a partir dos 40 anos de idade, realizem anualmente a mamografia. “A prevenção é um dos melhores caminhos para manter a saúde. E quanto mais cedo o diagnóstico, maior a chance de cura”, expõe Dra. Daniella Gama.

Fatores de risco

Diversos estudos revelam que o sobrepeso e a obesidade, além da falta de atividades físicas no dia a dia, aumentam os riscos para câncer de mama e ainda proporcionam uma má qualidade de vida para quem está em tratamento. “Nosso alerta é para QUANTO ANTES mudar o estilo de vida MELHOR para a saúde e isso envolve exercícios, alimentação saudável e a consciência da saúde preventiva como um todo”, afirma o presidente da SBM, Dr. Vilmar Marques. Sedentarismo, consumo de álcool, noites mal dormidas, entre outros, também contribuem para baixar a imunidade. 

Dicas de hábitos para uma rotina saudável 

·         Alimente-se bem e não fique muito tempo sem comer. Prefira comer de três em três horas, em pequenas quantidades, sempre priorizando os alimentos naturais e evitando os alimentos industrializados. 

·         Evite o excesso de gorduras e carboidratos simples, como açúcar adicionado aos alimentos, doces, sucos de caixinha ou saquinho, refrigerantes, pão branco, macarrão, dando preferência as opções integrais.

·         Procure ingerir proteínas de boa qualidade, principalmente frutas, legumes e verduras por serem fontes de vitaminas, minerais essenciais e ricas em fibras que ajudam na saciedade e no funcionamento adequado do intestino.   

·         Faça exercícios físicos durante a semana. O ideal são 150 minutos de exercícios físicos moderados divididos entre os cinco dias ou 75 minutos de exercícios vigorosos divididos pelos dias da semana.  

·         Planeje o seu dia alimentar e tente segui-lo. 

Vacinação do Covid-19 e tratamento

Em relação à vacinação do Covid-19, a SBM também reforça que é primordial que todas as mulheres se vacinem, inclusive as diagnosticadas com câncer de mama, pois não há nenhuma contraindicação. “Nenhuma mulher deve abdicar da vacinação por medo de que ela possa causar doenças na mama ou afetar seus exames, pois essa possibilidade não existe”, afirma o Dr. Vilmar Marques, acrescentando que as pacientes compõem o grupo de risco, muitas com a imunidade baixa devido ao tratamento que estão sendo submetidas.