Movimentos sociais ocupam Bolsa de Valores, em SP, em protesto contra desemprego e inflação

MTST invade a Bolsa de Valores na capital paulista — Foto: Vivian Reis/G1

Integrantes de movimentos sociais ocuparam nesta quinta-feira (23) a B3, sede da Bolsa de Valores brasileira, na cidade de São Paulo, em protesto contra o desemprego, a inflação e a fome.

De acordo com os manifestantes, o local do ato foi escolhido porque as ações das grandes empresas estavam em alta até meados deste ano, especialmente devido ao crescimento de 1,2% no Produto Interno Bruto (PIB), mas a expansão foi desigual e deixou de fora especialmente a classe de renda mais baixa. (leia mais abaixo)

“É inadmissível que quase 100 milhões de brasileiros estejam em situação de fome e insegurança alimentar enquanto os bilionários movimentam R$ 35 bilhões por dia só aqui na bolsa”, afirmou Debora Perereira, liderança do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto).

Para chamar atenção para as demandas urgentes da sociedade, grupos ligados a movimentos por moradia se engajaram na manifestação desta tarde.

Os manifestantes carregavam faixas e cartazes com os dizeres “Sua ação financia nossa miséria”, “Tá tudo caro e a culpa é do Bolsonaro”, “Brasil tem 42 novos bilionários enquanto 19 milhões passam fome”, “Tem gente ficando rica com a nossa fome” e também levaram barracas para acampar na B3.

A bolsa está no vermelho desde que a crise política disparou a inflação e demandou alta nos juros. Ela apresenta queda de 5% no ano até esta quinta.

Do g1