Marcos Guerra não aceita dúvidas sobre eficácia do método de Paulo Freire

Um dos principais integrantes da equipe de Paulo Freire, na experiência de Angicos há 50 anos, o professor Marcos Guerra, que também participou da aplicação do Método de Alfabetização de adultos em 40 horas, em outros países do 3º Mundo, reage a interpretação dada a um texto aqui publicado.

Segundo ele, o Estado de Santa Catarina foi o que melhor aproveitou o pioneirismo do RN, promovendo um programa de interiorização do ensino a partir do que foi aplicado e comprovado aqui no Estado.

Testemunha dessa história, o titular desta Roda Viva nunca duvidou do êxito da Experiência da Angicos nem da viabilidade da alfabetização de adultos em 40 horas-aula.

Como não duvida que a Terra seja redonda.

Sabe que o método de Paulo Freire tem um diferencial, de se opor aos métodos tradicionais de silabação mecânica, totalmente descontextualizada, enquanto o MPF alfabetiza a partir do universo vocabular do aluno.

Território Livre/TN