Idosa que morreu de Covid-19 é cremada por engano após troca de corpos em hospital

Uma idosa, identificada como Josefa Figueira da Silva, de 69 anos, foi cremada por engano no Rio de Janeiro, após o hospital trocar o corpo dela com o de outra paciente.

A idosa morreu no último sábado (25), no Hospital Municipal Ronaldo Gazolla. No entanto, dois dias depois, Ana Paula Figueira foi reconhecer o corpo da mãe e descobriu que ela já havia sido cremada por outra família. 

“Fui reconhecer minha mãe e, chegando lá vi que não era ela. Minha mãe tinha pavor a fogo e jamais gostaria de ser cremada, nunca na vida dela. O enterro, que estava marcado para as 15h30, não aconteceu, e agora o hospital quer culpar uma senhorinha pelo reconhecimento”, declarou Ana Paula.

Segundo ela, o reconhecimento foi adiado para segunda-feira (27) porque o cartório não funciona no fim de semana. Famílias descobrem troca de corpos após erro de funerárias em PernambucoHospital diz que troca de corpos de idosas em Fortaleza se deu por equívoco de familiar da paciente.

Após muita espera, Ana Paula soube que o nome da mãe não constava no sistema e, por isso, foi levada para reconhecer o corpo de outra pessoa. 

“Eles ficaram procurando o corpo de Josefa Ferreira, mas, como não encontraram, deram o corpo de dona Gecélia para mim. Os funcionários falavam ‘Tem certeza que não é ela? Porque muda depois que morre’. Quando o corpo sumiu e me chamaram para reconhecer outro, de cara a gente disse que não era minha mãe”, rememora a filha.

Tanto Josefa Figueira quanto Gecélia Barbosa, de 89 anos, morreram devido a complicações da Covid-19.

Em nota, a direção do Hospital Municipal Ronaldo Gazolla disse lamentar profundamente o ocorrido e garantiu estar prestando toda assistência às duas famílias, oferecendo, inclusive, apoio psicológico. 

O hospital ainda informou que Gecélia Barbosa morreu na sexta-feira (24), mas no dia seguinte, durante a liberação para sepultamento, o corpo de Josefa foi apresentado à filha da paciente e por esta foi “reconhecido”.