ALRN: Gabas fica em silêncio durante depoimento na CPI da Covid

Realizada na tarde desta quarta-feira, 6, na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte (ALRN), mais uma sessão ordinária da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid. Carlos Gabas, secretário do Consórcio Nordeste, um dos depoentes do dia permaneceu em silêncio. Nesta terça-feira, 5, uma decisão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), garantiu que ele permanecesse em silêncio durante a sessão.

Segundo Kelps Lima (Solidariedade), presidente da CPI da Covid na ALRN, Carlos Gabas teria dito que a Comissão tem sido marcada por “humilhação aos depoentes”. O parlamentar defendeu que a orientação é de que “tais humilhações sejam encaminhadas ao Ministério Público do Rio Grande do Norte” para análises.

O relator da CPI, Francisco do PT, fez um preâmbulo criticando o que chamou de “indignação seletiva” em relação as mortes causadas pela COVID-19. O petista disse que a revolta com as 7 mil mortes no RN não é a mesma com as quase 600 mil do Brasil.

Após responder primeira pergunta, Gabas optou por permanecer em silêncio. Provocado por Francisco do PT Gabas disse que iria exercer o direito de ficar calado em todos durante toda a duração da sessão.

Com a decisão, o deputado Kelps argumentou que como Gabas não iria responder, não seria justo com o povo do RN, já que houve preparo e investimento para a sessão. Segundo o presidente da CPI, já que o depoente resolveu permanecer em silêncio, seria liberado para que não houvesse abuso de autoridade ou qualquer tipo de humilhação.

Com informações do Agora RN.