Assembleia discute dificuldades para cirurgias cardíacas no RN

Foto: João Gilberto

Foto: João Gilberto

A crise na área saúde voltou a ser tema de discussão na Assembleia Legislativa. Na tarde desta quinta-feira (3), deputados, médicos, representantes dos profissionais da saúde, Governo do Estado e Ministério Público discutiram a situação dos atendimentos de alta complexidade na cardiologia, no Rio Grande do Norte. A proposição foi deputado Hermano Morais (PMDB).

Relatando o momento da cardiologia no mundo, onde o aumento na expectativa de vida da população tem demandado mais serviços na área, os médicos lamentaram a falta de alternativas para os atendimentos das pessoas do Rio Grande do Norte que precisam de cirurgias. A falta de meios para viabilizar um número suficiente de cirurgias cardíacas é motivo de preocupação para os profissionais da área.

“Infelizmente, hoje temos mais de 140 pessoas na fila para a realização de cirurgia cardíaca e, na atual situação, a média é de 16 procedimentos por mês. Com isso, infelizmente, muitas pessoas estão morrendo enquanto aguardam pelo procedimento”, explicou o médico Ernani Gadelha Júnior.

Entre um dos pontos principais da discussão está a utilização do Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL) para os procedimentos cardíacos via SUS. No entanto, apesar da excelente estrutura da unidade, a falta de profissionais vem fazendo com que a demanda não seja atendida no ritmo ideal. A falta de atratividade para atuação através de vínculo efetivo no hospital foi um dos pontos destacados.