Renan Calheiros atravessa escândalos e é favorito para presidir Senado

O Brasil mudou muito nas últimas três décadas, mas uma coisa é certa: Renan Calheiros (MDB), hoje senador por Alagoas, sempre esteve no centro do poder. Mesmo com o nome mergulhado em processos, entre eles da Operação Lava-Jato, Renan não só conseguiu ser um dos poucos da sua geração a se salvar da onda de renovação, reelegendo-se para o quarto mandato na Casa Legislativa. Agora, é cotado como favorito à presidência do Senado, cargo que ocupou por quatro vezes, e acena aproximação com o governo de Jair Bolsonaro (PSL).

O cacique já esteve ao lado de Fernando Collor de Mello (então PRN), Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT). Ironicamente, só não manteve boa relação com Michel Temer, também do MDB. “Jamais se pode ser presidente de um poder sem conversar com o presidente da República. Isso é elementar. A hora em que ele (Bolsonaro) me chamar, eu vou”, disse, em entrevista ao jornal O Globo na sexta-feira. No fim do ano, em artigo no seu site, escreveu que “quer ajudar o novo governo”, embora tenha apoiado a pré-candidatura de Lula e feito campanha para Fernando Haddad (PT).

“É o modus do MDB, que aprendeu a racionalizar como se manter no poder, conseguindo identificar o ponto de pular do barco e o ponto de entrar no barco”, afirma o doutor em ciências políticas Ranulfo Paranhos, professor da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Desde que chegou ao Congresso Nacional, em 1982, quando eleito deputado federal por Alagoas, Renan sempre esteve no primeiro escalão da política e vem depurando como poucos a habilidade de se manter nele, independentemente das circunstâncias.

Nos bastidores, a conta é de que ele teria cerca de 50 votos dos 81 parlamentares. A decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, de manter a votação ao comando do Senado secreta foi comemorada por Renan. “A Constituição democrática não pode ser mudada na goela ou na canetada”, escreveu no Twitter.
Do Estado de Minas

Qual sua opinião?