Não há esperança para 2020

Governadora Fátima Bezerra na leitura anual de 2019: promessas não cumpridas

O primeiro ano do governo Fátima Bezerra (PT) termina daqui a 51 dias sem ter investido – recursos próprios – um centavo de real. Os recursos foram contados, moeda a moeda, para pagar os salários de 2019, missão que ainda não foi concluída. Nestes mesmos 51 dias, o Governo precisará levantar mais de R$ 1,4 bilhão para honrar as folhas de novembro, dezembro e o 13º salário. As três folhas atrasadas de 2018 continuarão fechadas no baú com bolinha de naftalina.

As obras que Fátima visitou, como o Hospital da Mulher de Mossoró e outras que ela inaugurou, como as unidades de Central do Cidadão, são todas bancadas pelo projeto “RN Sustentável”, ainda do governo Rosalba Ciarlini (2011/2014), com recursos do Banco Mundial.

De pronto, deve ser dito que o atual governo não tem culpa do Estado falido, embora Fátima Bezerra e o seu partido tenham sido sócios da gestão anterior, do ex-governador Robinson Faria (PSD). Só para avivar a memória, Robinson e Fátima foram eleitos no mesmo palanque em 2014, e no segundo turno das eleições de 2018, Robinson levou a sua estrutura para apoiar a eleição da atual governadora.

O que preocupa não é tanto a escassez de investimentos no ano que está terminando, mas a falta de medidas para reequilibrar as contas públicas e, por consequência, o poder de investimentos. O governo Fátima Bezerra não fez nada nesse sentido nem acena para mudança no modelo de gestão. Limitar-se a pagar salários e fazer “mágica” para manter a máquina pública em funcionamento é muito pouco ou nada para as necessidades do sofrido Elefante.

O ano de 2020, que está à nossa porta, não será diferente. A proposta de orçamento do Governo, em tramitação na Assembleia Legislativa, prevê investimento estagnado. Segundo o documento, a variação para investimento é de apenas 1,3% em relação ao orçamento de 2019. Levando-se em conta que o valor global do orçamento fiscal e da seguridade social previsto para o Executivo para 2020 é de R$ 11,62 bilhões, significa que o volume de recursos para investimentos não passará de R$ 1,141 bilhão, pouco mais do previsto para 2019, que foi de R$ 1,127 bilhão.

A saída para o Governo é buscar empréstimos, nos moldes do RN Sustentável, para garantir investimentos. O secretário do Planejamento, Aldemir Freire, apontou para essa possibilidade. Porém, praticamente impossível que o Governo reúna as condições de contrair operação de crédito no próximo ano. Quem sabe, na melhor das hipóteses, em 2021, mesmo assim, se o governo Fátima fizer o dever de casa.

Portanto, não há motivo para alimentar esperança. O ano que se aproxima será, mais uma vez, de contar moedas para, pelo menos, honrar os salários (achatados) do funcionalismo público.

Do Blog do César Santos

Comentários
  1. Posted by Toni

Qual sua opinião?