Médicos cooperados voltarão a fazer cirurgias

A Cooperativa Médica do Rio Grande do Norte (Coopmed) se comprometeu a retomar, nesta sexta-feira, 8, as cirurgias ortopédicas no Hospital Regional Deoclécio Marques de Lucena, em Parnamirim. A entidade, que teve o contrato com o governo encerrado no mês passado e que, por isso, suspendeu os atendimentos, vai voltar a realizar os procedimentos porque a Secretaria Estadual de Saúde teria se comprometido a firmar um novo contrato até o fim de novembro.

“Os 42 médicos que dividiam as escalas estarão realizando os procedimentos. Com isso, nós vamos reduzir o quadro de espera”, diz o médico Fábio Freire, chefe do setor de ortopedia do Deoclécio Marques.

Ontem, o Agora RN mostrou que a Secretaria de Saúde tinha outros planos para retomar os atendimentos. O secretário adjunto da pasta, Petrônio Spinelli, chegou a anunciar que médicos cooperados que atendem no Hospital Walfredo Gurgel, em Natal, seriam “compartilhados” com o Deoclécio Marques, para realizar cirurgias para cerca de 40 pacientes que estão internados em Parnamirim.

A solução seria temporária, até que uma licitação para contratar nova empresa fornecedora de mão de obra fosse finalizada. A Sesap também afirmou que não seria possível prorrogar o contrato com a Coopmed, pois já haveria um termo emergencial.

O secretário adjunto de Saúde informou que seriam remanejados para o hospital de Parnamirim, em um primeiro momento, 50 plantões contratados originalmente pela unidade da capital. Segundo Fábio Freire, contudo, não será mais necessário retirar médicos do Walfredo, pois a Coopmed vai retomar os atendimentos mesmo sem contrato firmado.

Além do compromisso de que um novo contrato será assinado ao final deste mês (embora a Sesap tenha dito que era não mais possível prorrogar o termo), o acordo entre Sesap e Coopmed prevê uma redução no valor dos honorários que são repassados aos médicos. De acordo com o chefe do setor de ortopedia do Deoclécio Marques, parte do valor “economizado” será destinado à compra de insumos para a realização de cirurgias.

Jornal Agora RN

Qual sua opinião?