Maternidade da UFRN realiza mais de 100 mil procedimentos por ano

Esta quarta-feira, 12, foi de festa na Maternidade Escola Januário Cicco (MEJC/UFRN). Autoridades se reuniram para celebrar os 70 anos de atividades da principal unidade materno-infantil do estado, responsável pelo nascimento de grande parte dos filhos do Rio Grande do Norte.

O momento teve cerimônia religiosa presidida pelo arcebispo metropolitano de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha, que expressou a importância de uma maternidade que, por iniciativa do médico Januário Cicco, foi criada com o propósito de cuidar da mãe pobre. A celebração contou ainda com parabéns, música ao vivo e bolo.

“Percorri o Brasil quando estava à frente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares e, à época, afirmavam que a Maternidade Escola Januário Cicco era a melhor maternidade pública do país. Poderia ser uma afirmativa tendenciosa, uma vez que desenvolvi vários projetos como superintendente da casa, mas o relatório da Controladoria Geral da União, divulgado no mês passado, só veio ratificar minha afirmativa”, disse Kléber Morais, ex-superintendente da casa.

Realmente não é exagero o comentário do Dr. Kléber. Por ano, a MEJC realiza mais de 100 mil procedimentos, considerando consultas, exames, partos, pequenas cirurgias e internações. Para se ter uma ideia, só no ano passado nasceram 3.500 crianças na maternidade, dentro de um sistema de atendimento humanitário considerado de excelência.

Atualmente, a Maternidade conta com 128 leitos, 23 consultórios ambulatoriais, três salas de cirurgias ambulatoriais, seis salas de cirurgias hospitalares, três salas de recuperação, duas salas de parto normal e três consultórios médicos de urgência e emergência.

Além disso, a MEJC tem se consolidado como centro de referência para atenção à saúde, formação e aprimoramento profissional nas mais diversas áreas. É campo de prática para mais de 1.400 alunos de graduação e responsável pela inserção de 26 especialistas por ano no mercado de trabalho.

Possui ainda um Centro de Estudos e um Centro de Pesquisa Clínica e Laboratório Multiusuário de Pesquisa Translacional. Por ano, são realizados mais de 70 projetos de pesquisa nas áreas de graduação, residência, especialização, mestrado e doutorado, além de 30 ações de extensão.

“Que esse serviço não termine jamais, pois a MEJC já faz parte da história do estado e da UFRN”, disse o vice-reitor da UFRN, Henio Ferreira de Miranda, que participou da cerimônia nesta manhã.

O momento contou ainda com depoimentos de servidores da MEJC, que narraram suas trajetórias pessoais e exaltaram a relevância do serviço oferecido pela instituição no RN. O sonho de Januário Cicco foi compartilhado pelos seus sucessores, que, com o mesmo empenho e dedicação, contribuíram para o crescimento da unidade.

“Realmente, só temos a agradecer, sem distinção, a todos que, enfrentando dificuldades numa rede materno-infantil fragmentada do estado, permanecem vinte e quatro horas com as portas abertas, atendendo mulheres, bebês e suas famílias na saúde integral e, principalmente, na hora mais sublime da família, o nascimento”, reforçou a médica Maria Daguia de Medeiros, gerente de Atenção à Saúde.

Qual sua opinião?