Sindicato dos Médicos aponta quebra de acordo e falta de condições de trabalho

A categoria médica vinculada à secretaria Municipal de Saúde de Natal se reuniu em assembleia nesta terça-feira (14), no Sindicato dos Médicos do RN, para discutir medidas que solucionem a falta de condições de trabalho e a alteração, através da portaria Nº 060/2019, da jornada de plantões para os servidores da saúde.

Os profissionais discutiram as dificuldades do exercício profissional nas unidades hospitalares do município.  

Foram apontados no Hospital Municipal de Natal superlotação, falta de equipamentos e insumos. Na maternidade Leide Morais o número de pediatras é insuficiente para atender a demanda, além disso, na semana passada faltaram luvas e fios de sutura, o que ocasionou a parada nas cirurgias por um turno.  Já a maternidade Araken Irerê Pinto está com o elevador quebrado há dois anos, obrigando as parturientes a subir e descer escadas para o atendimento.

Todas as situações apontadas durante a assembleia já são de conhecimento do secretário de saúde, George Antunes, que informou em audiências passadas procurar novas instalações onde possam funcionar o hospital Municipal e a maternidade Araken Pinto, já que a estrutura que é utilizada atualmente está realmente precária.

Com relação a jornada de trabalho, a portaria publicada no dia 03 de maio pela SMS de Natal modifica de 10 para 12 plantões para os servidores contratado por 40 horas.   O Sinmed RN se posiciona de forma contrária a este novo cumprimento de jornada de trabalho.

“Já existiam acordos entre o Sinmed e secretaria de saúde para o cumprimento de 10 plantões. São acordos feitos ao longo de décadas”, afirma Geraldo Ferreira, presidente do Sinmed RN.

Ferreira informa também que o sindicato solicitou audiência com George Antunes para tratar destas questões e que a orientação da entidade é de que as escalas devem ser mantidas como já vêm sendo feitas, com 10 plantões.

Outros sindicatos da área da saúde serão chamados para atuar juntamente com o Sindicato dos Médicos para a discussão da alteração da jornada de trabalho.

Grande Ponto

Qual sua opinião?