Passagens aéreas sobem 18,9% e fazem muita gente desistir das férias

As férias de julho chegaram com uma péssima notícia: a alta de 18,9% no preço das passagens aéreas, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de junho, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O aumento desencorajou muita gente a viajar no período.

Além da alta temporada, a saída da Avianca do mercado de aviação fez os preços dispararem. Dados divulgados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), no mês passado, mostram que as passagens estão 30% mais caras. Entre os destinos nacionais mais procurados pelos brasilienses estão Fortaleza, Rio de Janeiro, Salvador, Recife, São Paulo e Florianópolis.

Como a família do namorado mora em São Paulo, a estudante de direito Meire Odayke, 23 anos, planejava acompanhar o companheiro, que iria à capital paulista a trabalho, para visitar os parentes, mas desistiu, devido aos preços “exorbitantes”. “É uma ponte aérea que sempre fazemos, já que volta e meia ele viaja a São Paulo para trabalhar. Na semana passada, no entanto, ele foi sozinho. As passagens estavam muito caras”, lamentou.

Ela reclama do descaso das empresas aéreas, considerando que as regras vão contra o consumidor. “Ele acabou tendo uma reunião adiada e queria voltar antes do programado, mas só para fazer a alteração teria que pagar uma taxa de mais R$ 300 além do valor absurdo que já tinha pago pela passagem”. Segundo ela, o pior é que o voo original dele atrasou e ele teve que ir para Campinas para voltar. “Fora o valor exorbitante, é um abuso quando se pensa em contraprestação e qualidade de serviço, quando precisa de algum auxílio da empresa passa por constrangimentos”, afirmou.

Correio Braziliense

Qual sua opinião?